Gente que é + com Bia Peca

Este é um post especial. Esta entrevista é muito especial, pois é com uma mulher de uma generosidade que eu desconhecia até conhecer a Bia Peca. Essa tal internet fez nossos cliques se cruzarem e desde lá, minha admiração por ela só aumenta. Quando eu menos esperei, ela estava me indicando para entrevistas, castings e sem esperar nada em troca. Todos sabem que isto hoje é raridade e somente pessoas com coração enorme que fazem isso. A Bia é assim!

Temos algumas coisas em comum, mas uma que me diverte muito é o fato de não nos importamos em gravar longos áudios no Whatsapp. Talvez porque temos muito a falar.

No mês em que o meu blog completa seu primeiro ano de vida, eu precisava entrevistar alguém especial e escolhi a Beatriz. A medida que você ler a entrevista abaixo, irá entender a razão da minha escolha.

Por favor, nos conte um pouco da sua carreira, seu blog e também suas inspirações.

Comecei o blog Mundo Plus Size by Bia em 2013, dividindo com a carreira na Administração como Analista de projetos. Tudo começou depois de um processo de auto aceitação bem doloroso, eu me amava, mas como as pessoas não me aceitavam gorda, eu achava que tinha algo de errado comigo, então me cobrava, me açoitava e sofria muito. Até que um dia eu entendi que eu poderia ser feliz, bonita e me aceitar sendo gorda. E só assim os outros poderiam me aceitar também.

Eu comecei procurar referências de moda incentivada por uma amiga magra e atleta e fiquei encantada que já havia no mercado moda plus size, até então eu sabia da existência de uma ou duas marcas mas me recusava comprar, achava que o correto era eu caber nas roubas e não as roupas caberem em mim.

Então eu criei um acervo de marcas e modelos de roupas que eu desejava primeiramente em uma pasta no computador e depois transformei isso em uma página na internet, pois eu senti a obrigação dividir a informação de moda com outras pessoas que sofriam com o que eu já havia passado. Depois em algumas auto avaliações comecei a abordar comportamento, falando de auto estima, sexualidade, empoderamento, vaidade e etc, e isso tudo foi muito libertador e satisfatório. Ou seja, abordar tantos assuntos que me machucaram no passado me libertando e ainda ajudando outras pessoas.

Isso foi tomando repercussão e então transformado em um blog e perfil no Instagram. Falo de tudo um pouco, mas meus principais objetivos são:  Incentivo amor próprio, informação de moda e luta contra gordofobia.

Também faço alguns trabalhos como modelo.  Hoje estou em 3 campanhas para 3 marcas e isso é muito satisfatório.

E também estou dando consultoria para uma marca que está há três meses no mercado e estou desenvolvendo essa nova habilidade.
Minhas principais referências são:

Keka Demétrio: Como ser humano primeiramente, sem saber, com suas frases me fazia pensar e me auto-avaliar. Me ajudou imensamente.

Renata Poskus: Com informação de marcas através do FWPS e suas publicações de empoderamento.

Flúvia Lacerda: A primeira vez que vi uma foto da Flúvia me emocionei, eu não poderia acreditar que uma mulher gorda poderia ser modelo. Fiquei encantada e me senti representada.

Sou muito grata a essas pessoas do fundo do meu coração. E até hoje eu me emociono com moda, quem me conhece sabe. (risos)

Você é a mãe da Helena, uma linda pré-adolescente. Como você imagina que será a formação desta geração no que diz respeito aos padrões com os quais sempre tivemos que conviver?

Falando da Helena primeiramente, eu tenho orgulho em ter uma filha que não tem preconceito com absolutamente nada, eu realmente fico boba com as coisas que ela fala sobre isso. Ela tem convicção que ninguém tem o direito de julgar os outros por suas escolhas, e já percebi que inclusive ela ensina isso para as amigas.

Sobre a geração em geral eu acho que será um pouco menos preconceituosa. Pois, algumas pessoas tem uma personalidade muito marcante e irão por si próprias criar seus valores inclusive contra preconceitos, baseados nessas movimentações a favor da igualdade, já outros são totalmente direcionados pelos pais, então é muito importante pensar nos valores que estão sendo passados para seus filhos. De um modo geral eu acredito em uma geração “menos” preconceituosa, mas acho que ainda estamos longe do “ideal”.

Em algumas de nossas conversas, você falou da “Bolha do meio plus size”, um termo que eu nunca havia ouvido falar. O que você quer dizer com ele ?

A “bolha” é uma maneira de explicar que precisamos expandir o mercado e informações do meio plus size, percebo que ainda há muita gente sem informação de moda e sem acesso aos conteúdos de empoderamento e auto-estima.

Nos eventos percebo que na maioria são sempre as mesmas pessoas, os mesmo consumidores, e é necessário um “BOOM”, tanto para aquecer o mercado quanto para a prosperidade das diversas marcas que a cada dia estão cheias de novidades e estilo, isso irá ajudar o público plus size ter informação de moda e parar de sofrer com isso, pois todos sabemos que a questão de moda para o gordo vai muito além de se vestir. Mexe com a auto-estima, é inclusão social que já deveria haver, ou seja, todos sairemos ganhando. Talvez por ser um assunto segmentado não há ainda tanto interesse da mídia de massa em expandir grandiosamente o assunto. Ainda que tenha muita gente boa trabalhando nisso, precisamos da ajuda dos grandes meios de comunicação em horário nobre, isso porquê o assunto dá “pano pra manga”, diversas matrizes do segmento para serem exploradas e principalmente público, isso porque quase 60% da população está acima do peso, então é um assunto que deve ser explorado.

Quando algum gordo aparece na mídia, são instantâneos os comentários que fazem relação com a saúde dele. Você acredita que é possível ser gordo e saudável ?

Isso é realmente muito recorrente e me irrita muito. As pessoas associam aparência gorda com falta de saúde e a magra com saúde, como se fosse uma verdade absoluta e é óbvio que não é. Existem pessoas doentes gordas e pessoas doentes magras e as que não são exemplo de saúde por serem sedentárias, fumarem, não terem uma alimentação saudável e etc.

Mas o fato isolado da pessoa ser “gorda” não é um atestado de doença. Eu conheço gordos atletas e que possuem uma alimentação saudável, e conheço magros que só comem gorduras, doces, são sedentários, fumam e etc, e outros que correm, se exercitam. Enfim, é algo muito pessoal e do estilo de vida de cada um.

Mas o mais triste é que os julgamentos nunca são pela real preocupação com a saúde do outro e sim uma forma de mascarar o preconceito. Eu não tenho absolutamente nada contra quem resolve emagrecer ou tem uma vida fitness inclusive, eu sou contra é a ditadura da magreza, de pré julgamentos ou intromissão nas escolhas do próximo, sejam elas quais forem.

Adoro acompanhar tuas publicações na redes sociais. Outro dia me deliciei lendo uma cena que você descreveu, à espera da sua filha. Foi de uma conversa com outra mãe que embora fosse mais nova que você, achava você muito mais moderna e descolada que ela. Você indicou um novo caminho para ela, deu um chacoalhão na auto estima dela e imagino que você tenha acendido uma luz na vida dela. Confesso que estou bem curioso para saber como foi o reencontro na outra semana. Com seu blog você faz isso com dezenas de mulheres, passa inspiração a partir da experiência de uma mulher que sabe o que quer. Mas o que você ganha em troca disso?

Outro dia li uma frase que dizia que sucesso não é relacionado com o valor que você ganha e sim como você toca o corações das pessoas, algo assim. Enfim, eu ganho “brilho de olhares” sabe?rs. Eu ganho mensagens de agradecimento, eu ganho combustível para continuar fazendo meu trabalho e isso não tem preço que pague. Ainda não tenho o resultado desse caso pq o curso está de férias, mas tenho diversos “cases” de amigas, leitoras e etc que de alguma forma toquei, informei, empoderei e esse com certeza é meu principal objetivo.

Entendeu que mulher incrível? Sou apaixonado por ela e por sua história. Obrigado Bia por existir e inspirar tantas pessoas. Sou seu fã!

Quer acompanhar o trabalho da Bia Peca? Então acesse o blog aqui, o perfil no Facebook e no Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *