Quero ser modelo. O que fazer?

Um dos assuntos que mais é pedido pelos seguidores e leitores do blog diz respeito a profissão de modelo.

Todo dia recebo diversas mensagens pedindo dicas, receitas e sugestões de como se tornar um modelo plus size. Como o assunto é muito sério, não quero tratar dele sozinho, resolvi pedir ajuda a três profissionais que respeito muito, entre tantos outros que conheci no decorrer da minha carreira. Se você acompanha o universo da moda plus size masculina, tenho certeza que já deve ter deparado com eles.

AKEEN DOS SANTOS – Modelo desde 2015 – @keenzao

“Comecei tem uns 2 anos. Cursei moda, a princípio para fazer minhas próprias roupas, devido à dificuldade de achar peças que eram “a minha cara”, depois disso muitas pessoas ficavam falando pra eu investir na carreira da modelo, porém eu sempre achei que fosse uma ideia nada a ver até que um dia eu fui atras e deu certo.”

 

EDU RODRIGUES – Modelo desde 2012 – @duduselect

“Eu recebi indicação de uma amiga para conhecer uma produtora, dei sorte de ter um curso para modelos e atores. Fiz o curso de 6 meses aos sábados. Durante esse tempo fiz alguns testes mas só consegui meu primeiro trabalho depois de 7 meses e foi uma figuração. Depois comecei aplicar tudo que aprendi sobre gestão de carreira. Investi no meu book e fui buscando as lojas e agências. Meu primeiro trabalho como modelo foi para a Loja Fenomenal”

 

ROBERTO LABATE – Modelo desde 2010 @rlabate

“Foi bem por acaso, sempre fui cliente da Kauê Plus Size e, certo dia fui convidado pela loja para participar do desfile de lançamento da nova coleção. Logo depois me chamaram para as fotos de catálogos e não parei mais, por ser uma marca bem conhecida no segmento plus size, tive visibilidade e outras marcas começaram a conhecer meu trabalho e me convidar para seus catálogos.”

 

OTÁVIO JANECKE – Modelo desde 2016 @o.plussize

Também vou compartilhar minha experiência. Eu recebi um convite de uma amiga que trabalhava na Cativa. Nunca pensei em ser modelo. Depois de relutar um pouco, pois não queria me assumir como plus size, acabei aceitando. Fiz o meu primeiro trabalho e ao sair do estúdio já engatei outro job para outra marca, uma semana depois. Não parei mais, nem de modelar, nem de estudar a respeito.

 

Como você pode ver, cada um deu os primeiros passos de forma diferente e estávamos em momentos diferentes. De lá para cá, já houve mudança e embora o mercado de modelos plus size ainda seja muito pequeno, já houve uma mudança considerável como comenta o experiente Labate:

– Rolou um crescimento e uma profissionalização no segmento, mas ainda está longe de ser efetiva. Falta um pouco mais de esforço das agências e, principalmente dos modelos que não estão preparados. O pessoal acha que é só ser gordo, estar acima do peso ou ter um rosto bonito. Não é só isso não! Tem que ter perfil, mas o que seria esse tal de perfil? Ter um corpo proporcional, altura, treinar poses, caras e bocas (sim, porque ninguém nasce sabendo) e desenvoltura para as câmeras.Falando assim parece até simples, mas não é, são detalhes muito importantes que definem um potencial modelo ou não.

Backstage Desfile Umen Inverno 2017

É meus caros, todo mundo pensa só no glamour, nas luzes e flashes do estúdio ou em poder desfilar em eventos de moda mundialmente conhecidos, como foi o caso do Akeen, primeiro modelo plus size a desfilar na São Paulo Fashion Week em 2016. Ele lembra que a sensação foi boa. Ter sido escolhido no meio de tantos modelos mais experientes e conceituados do que ele, pessoas que respeita profissionalmente, foi um privilégio muito bom.

Mas quem entra nesse meio, precisa planejar sua carreira, saber onde quer chegar e também ter ciência que nem sempre as coisas acontecem no tempo que queremos, nem mesmo da forma como planejamos. É necessário os pés no chão. Rodrigues comenta que na época pesquisou o mercado, sabia que não tinha tanta demanda, que o investimento era baixo e que precisava desbravar um novo território. Foi dando um passo de cada vez, Chegou a oferecer o trabalho dele para a maior agência de modelos do Brasil que se recusou a trabalhar o perfil dele na ocasião. Hoje é diferente, ele já pode optar com quem quer trabalhar e normalmente o critério usado é quem investir mais na carreira dele. Hoje a principal fonte de renda dele vem dos trabalhos como modelo, o que é uma exceção entre os quatro profissionais. O Akeen continua trabalhando como enfermeiro, o Labate é diretor executivo e o Otávio é blogger e trabalha no ramo imobiliário.

Na opinião do Labate a maior dificuldade de conseguir viver apenas como modelo, ainda é o cachê. Ele observa que são poucas as marcas que investem com qualidade no mercado, procuram modelos profissionais e PAGAM pelo trabalho. A grande maioria investe pouco, com cachês praticamente simbólicos ou querem trocar os serviços por peças de roupas.

Aliás esta é, na minha opinião, uma grande armadilha que muitas vezes os iniciantes acabam caindo, pois para conseguir crescer profissionalmente, a pessoa acaba aceitando fotografar pelo look, mas não é o correto. Ou, você não está preparado para fazer aquele trabalho ou a marca não está valorizando a tua imagem. Poderia fazer um paralelo muito simples, você já pensou em propor trabalhar numa padaria e em troca do seu trabalho, você leva o pão para casa? Quem sabe você se oferece para roçar o gramado do vizinho e em troca você

Roberto Labate sendo direcionado durante produção de campanha

leva as flores do jardim. Não dá, né?

Assim como o Labate, também acredito que o mercado vai entender o potencial incrível desse nicho e perceber que o investimento é valido, somente dessa maneira o crescimento e profissionalização vão andar juntos. Vale notar que as marcas que fazem esse trabalho, além da qualidade do material, tem um retorno positivo das campanhas e, dessa forma, continuam investindo.

Então, se você leu esta matéria até aqui, deve estar muito afim de mergulhar nesse mercado. Então preste atenção na dicas preciosas que cada um separou para você

“Você acredita que tem perfil? Invista em um book muito bacana com um fotógrafo PROFISSIONAL que vai te ajudar nesses primeiros passos, com dicas valiosas de como se portar em frente às câmeras. Com esse material e mãos, procure uma agência com que você se sinta confortável para começar essa parceria. E por fim, envie seu material para as marcas que você gosta e acredita que seu perfil se enquadre. O job não vai cair do céu, corra atrás que as coisas acontecem.” – Roberto Labate

“Faça um workshop para conhecer o mercado, que te dê noções de como cuidar da sua imagem nas mídias sociais e que te ensine a gestão de carreira como um todo. Ou se tiver condições além do workshop trabalhe com assessoria e agência de modelos. Sem conhecer o mercado você vai desistir em 6 meses e vai dizer que não quis continuar porque não conseguiu nenhum trabalho.” – Edu Rodrigues

“Primeiro é ter boas fotos, para uma auto apresentação legal, para poder enviar o material pra alguma agência. Também vale investir na estética, manter sempre a aparência em dia (cabelo, barba, roupas) isso ajuda muito no marketing pessoal, que não deve ser deixado de lado.” – Akeen dos Santos

“Humildade para aprender e serenidade para avançar. Muito acham que ser modelo plus size é a unica forma de se aceitar, melhorar a auto estima, mas não é. Se você não se ama, isso refletirá no resultado do seu trabalho. É uma profissão como todas as outras,  é necessário se preparar muito e se atualizar sempre. Muito mais que modelo de uma marca, você pode ser também inspiração para muitos.” – Otávio Janecke 

Espero sinceramente que este conteúdo tenha lhe ajudado a ter novas percepções sobre este mercado e se caso você avance na sua carreira, já lhe desejo todo sucesso do mundo e que possamos nos encontrar em breve, nos quatro e você!

Ah, se você tiver outras dúvidas, deixe seu comentário e se você souber de algum amigo que pode se interessar por esse tema, indique a leitura.

8 Comentários

  1. Pablo disse:

    Sou modelo plus Size do Rio de janeiro,adorei a matéria quero muito crescer no mundo plus adoraria uma oportunidade

    • Otávio Janecke disse:

      Que legal Pablo, esse mercado está em franco crescimento e continue se atualizando e participando de eventos, seguindo referencias que isso ajudará muito na sua evolução. Muito obrigado por acompanhar nosso trabalho!

  2. Cintia cardoso de lima martins disse:

    Gostaria muito de me tornar uma modelo plus size

    • Otávio Janecke disse:

      Oi Cíntia, tudo bem? Muito obrigado por acompanhar nosso trabalho e fico feliz em saber que você também quer ser modelo. Embora este post seja muito direcionado aos homens, as mulheres tem uma realidade diferente. Já existem vários cursos, workshops e agencias que oferecem conteúdo e prática.
      Profissionais como o Felipe Menegoy, Adriana Libini, Renata Poskus estão aí para ajudar muito!

  3. Marina Mansur disse:

    Gostei muito das dicas! Muito legal a iniciativa!

    • Otávio Janecke disse:

      Oi Marina, que legal que você gostou das dicas! O espaço aqui está aberto e caso tenhas sugestões de temas, críticas, fique à vontade em nos mandar. Ficaremos felizes com a troca de experiencias.

  4. Maira Oliveira disse:

    Adorei…várias dicas de como seguir a carreira do sonhos
    Parabéns a todos

  5. Robson disse:

    Como sei, se faço parte para modelo plus?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *